Geral

Paulo Afonso - Bahia - 12/10/2019

Empossada nova diretoria da Academia de Letras de Paulo Afonso

por Antônio Galdino
Fotos: Divulgação
 Maciel Teixeira, Gorette Moreira, Socorro Araújo, Antônio Galdino, Jovelina Ramalho e Luiz José
Maciel Teixeira, Gorette Moreira, Socorro Araújo, Antônio Galdino, Jovelina Ramalho e Luiz José

A noite de 11 de outubro ficará nos anais da Academia de Letras de Paulo Afonso como um dos momentos mais marcantes de sua história recente, quando, o plenário e as galerias da Câmara Municipal de Paulo Afonso, gentilmente cedidos pelo seu presidente Vereador Pedro Macário Neto, estiveram completamente lotadas para recepcionar e aplaudir os novos diretores da Academia de Letras de Paulo Afonso – ALPA, empossados para o dirigir esta instituição cultural no biênio 2019/2021.

Ali, tomou posse o presidente reeleito Professor e escritor Antônio Galdino da Silva que, em seguida deu posse os novos diretores da ALPA. A diretoria desta Academia ficou assim formada:

Presidente – Antônio Galdino da Silva

Vice-Presidente – Maria Gorette Moreira

Secretária Geral – Jovelina Maria Ramalho da Silva (era a 2ª Secretária)

2º Secretário – Maciel Teixeira Lima

1ª Tesoureira – Maria do Socorro Araújo Nascimento (era a Secretária Geral)

2º Tesoureiro – Luiz José da Silva

Por uma decisão do presidente eleito e como uma homenagem ao acadêmico mais idoso da ALPA, o seu diploma de posse como presidente lhe foi entregue pelo Professor, poeta e escritor Roberto Ricardo do Amaral Reis, de 77 anos, nascido em abril de 1942 em Santo Amaro da Purificação/BA, que fez o discurso de saudação ao novo presidente.

Por sua vez, o presidente eleito, falou de suas origens nordestinas, nascido que foi em Zabelê/PB, hoje cidade mas, na data do seu nascimento, em 1948, um distrito do município de Monteiro, “terra de Dedé e Pinto do Monteiro, que encantaram o mundo com a simplicidade de seus poemas, sendo Pinto de Monteiro um agricultor analfabeto. Ele foi o patrono da minha graduação em Letras na Faculdade de Formação de Professores de Arcoverde, em Pernambuco, no final dos anos de 1970”, disse o professor Galdino em seu discurso. Disse ainda o reeleito presidente da ALPA, lembrando da produção literária do velho Pinto do Monteiro: “Conta-se que, já no leito da morte, Pinto foi provocado por um amigo com a pergunta: Pinto, pra você, o que é Vida? E ele respondeu, na hora: ‘Eu comparo esta vida / Com a curva da letra S / Tem uma ponta que sobre / tem outra ponta que desce / E a curva que dá no meio / nem todo mundo conhece”.

Falando sobre o seu trabalho na ALPA, o professor Antônio Galdino ressaltou sempre que o que se fez foi trabalho de um grupo e destacou a ampliação do quadro de membros da ALPA “quase triplicado”, o reconhecimento da ALPA como de utilidade pública municipal, a criação da Biblioteca Abel Barbosa, ainda em organização, a realização de mais uma Bienal do Livro de Paulo Afonso e a produção do livro anual da ALPA em 2019, como algumas das ações da diretoria da ALPA no último biênio e destacou as metas para a sua gestão no biênio 2019/2021.

“Desejo continuar a luta para a conclusão da Biblioteca Abel Barbosa, o reconhecimento da ALPA como instituição de utilidade pública a nível estadual e federal e, o sonho maior, é a criação pelo poder público municipal do Memorial Abel Barbosa para nele agregarmos a sede da ALPA e a Biblioteca Abel Barbosa. De todos esses sonhos, a sede da ALPA é o maior de todos”.

O presidente agradeceu o carinho dos seus colegas que o elegeram por aclamação e por unanimidade para continuar como presidente desta Academia de Letras de Paulo Afonso, a presença de 21 acadêmicos e às autoridades e grande público presente nesta solenidade da ALPA, ressaltando “que a eleição por aclamação e por unanimidade se, por um lado significa a aprovação de um projeto de gestão realizado nos últimos dois anos, por outro lado representa um considerável aumento da responsabilidade nesta nova gestão, que espero seja compartilhada com todos os membros da ALPA”.

Neste evento de posse da nova diretoria da ALPA, a Academia procedeu a entrega de Moções de Aplausos propostas por seus membros e aprovadas por unanimidade, todas elas homenageando pessoas e instituições dos municípios de Paulo Afonso e Santa Brígida, por atividades desenvolvidas de conformidade com os objetivos do Estatuto da ALPA e todas as ações voltadas para a valorização da cultura, de forma geral e da cultura literária, de forma especial, assim como a preservação da história e da memória de pessoas e de instituições.

Desta forma, a ALPA homenageou o poeta repentista João Soares, de 96 anos de idade, que foi muito aplaudido, de pé por todos os presentes. Ele, durante mais de 20 anos manteve programa de cantoria de cordel nas rádios Cultura de Paulo Afonso e Bahia Nordeste e, mesmo com essa idade avançada, ainda difunde a Literatura de Cordel em outras emissoras de rádio da região. A Literatura de Cordel foi reconhecida pelo IPHAN, em Setembro de 2018, como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro

A homenagem da ALPA atendeu a proposta do acadêmico efetivo da ALPA, professor e escritor Alcilvandes Santos Santana, membro correspondente da ALPA morador de Santa Brígida, na Bahia.

De Santa Brígida, a pedido do acadêmico Marcos Antônio Lima, foram homenageados o Presidente da Câmara Municipal, vereador Clécio Santana, o vereador Cláudio Pereira Lima, Secretário Executivo da Câmara Municipal e Marivônia Marques, Secretária de Cultura e Turismo daquela cidade, pelos apoios dados às atividades da ALPA, como o projeto O Escritor Vai à Escola, através dos seus membros moradores daquele município.

Também foi homenageada a Secretaria Municipal de Educação de Paulo Afonso – SEDUC, a pedido do acadêmico Edson Barreto, pela implantação do projeto Leitura e Descoberta: Viaje Nessa Ideia, Moção recebida pela Superintendente de Educação, Professora Ângela Carvalho.

A ALPA, por uma proposta da Acadêmica Maria Gorette Moreira, aprovada e assinada por toda a diretoria também homenageou o presidente da Câmara Municipal de Paulo Afonso, vereador Pedro Macário Neto pelo grande apoio que tem dado a esta instituição cultural.

Na mesma Sessão Solene da ALPA, a Câmara Municipal de Paulo Afonso entregou Moção de Congratulações, de autoria do presidente Pedro Macário Neto, à nova diretoria da ALPA. A comenda foi entregue pelo seu autor e pelos vereadores Mário Cesar (Galinho) e José Carlos Coelho, à diretoria desta Academia.

Moção de Aplausos, do vereador Jean Roubert Félix Neto ao acadêmico da ALPA Edvaldo Francisco do Nascimento pela defesa da tese de Doutorado em Educação na Universidade Federal de Pernambuco com o tema Modernização da Educação Escolar no Nordeste Brasileiro: As escolas da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (1949-2000). Como o vereador Jean Roubert estava em viagem de estudos em Salvador, a comenda foi entregue ao homenageado pelo presidente da Câmara, Pedro Macário Neto e pelos vereadores Mário Galinho e José Carlos.

Em seu discurso de agradecimento, o professor/doutor Edvaldo Nascimento informou “que será realizada na primeira semana de novembro, em parceria com a ALPA, a apresentação pública de palestra sobre essa tese de doutorado, aberta a todos mas bem interessante a presença de professores de Paulo Afonso e da região e de ex-alunos destas escolas mantidas pela Chesf por mais de 50 anos”.

Foi ainda entregue uma Moção de Aplausos, de autoria do Vereador José Carlos Coelho, da Câmara Municipal de Paulo Afonso à Escola Municipal Georgina Alves, de Paulo Afonso, por sua participação vitoriosa no projeto Leitura e Descoberta: Viaje Nessa Ideia.

O evento foi encerrado com uma homenagem aos professores através da exibição de vídeo com poema de Bráulio Bessa e da interpretação da Oração de São Francisco pelas professoras acadêmicas Jovelina Ramalho e Socorro Araújo, acompanhadas ao violão pelo professor Willames Silva.


Busca



Enquete

Você pretende viajar nas festas de final de ano?






Votar Resultado
Adiquirindo resultado parcial. Por favor aguarde...


Todos os direitos reservados