Opinião

Paulo Afonso - Bahia - 13/11/2017

Vitran X Passageiros

Por: Luiz Brito DRT\BA 3.913
Foto (Divulgação)

Um dos maiores desafios dos novos tempos é a chamada “Mobilidade Urbana”, e para esse importante vetor acontecer faz-se necessário um transporte coletivo eficiente.

Mas para as pessoas deixarem seus carros em casa e irem ao trabalho, à escola ou visitar um parente de ônibus coletivo, esse transporte precisará ter além da eficiência, qualidade, pontualidade, conforto e segurança.

Imaginem então um ônibus urbano novo, com aplicativo que possibilita verificar onde está o veículo que pretende pegar e quanto tempo ele leva para chegar ao seu ponto, elevadores de acessibilidade em toda a frota, catracas eletrônicas ágeis que evita fila de embarque, entre outras melhorias.

Com esta visão de futuro, e diante do sucateamento dos atuais serviços de transporte urbano existentes, a Prefeitura de Paulo Afonso resolveu abrir a concessão de transporte coletivo na cidade para empresas que atendessem a estes requisitos de modernização e benefícios à coletividade. Para isso, fora aberto processo de licitação dando igual direito as empresas interessadas neste mercado participarem e prestarem os serviços.

O certame foi na modalidade preço e técnica, que avaliou o melhor lance e melhores benefícios oferecidos para a população – Carros novos, rastreamento por GPS, aplicativo para smartphones, câmeras de segurança, elevadores para acessibilidade, catracas eletrônicas e outras contrapartidas. A primeira colocada foi a Atlântico e a última colocada foi a Vitran que obteve a menor pontuação na soma dos quesitos licitados.

Participaram três empresas: Vitran, Energia e Atlântico. Em um processo agitado que logo foi contestado pela Vitran (empresa de Paulo Afonso). A mesma entrou na justiça pedindo anulação do processo. Na justiça, o pedido não foi aceito e proclamada com vencedora do certame à empresa Atlântico Transporte e Turismo Ltda. Confirmando a legalidade de todo o procedimento.

Convenhamos que a caducidade da empresa Vitran que explorou o serviço no município por cerca de 30 anos, deu o tom imaginário de que o controle do transporte coletivo era vitalício. Em resumo a empresa Vitória Transportes teve tempo de sobra para modernizar sua frota, oferecer melhores serviços aos seus usuários, mas se acomodou, e nessas circunstâncias cada escolha tem uma oportunidade. Cada queda, um aprendizado. Cada atitude, uma consequência. As queixas  contra a Vitran são várias, mas as mais recorrentes são quanto ao atraso nas linhas e as condições dos veículos colocados à disposição dos usuários.

Passageiros X Vitran

Agora vem um dilema que não será difícil de resolver – Continuar com a velha conterrânea Vitran, só porque ela acha que deve ficar em nome da tradição, ou uma frota novinha em folha com todas as modernidades propostas na contratação?

 

 


Busca



Enquete

Quem Administraria Melhor o Brasil em 2018?











Votar Resultado
Adiquirindo resultado parcial. Por favor aguarde...


Todos os direitos reservados