Opinião

Paulo Afonso - Bahia - 16/05/2017

Só Escapa Suplicy!

Luiz Aureliano é ex-vereador por Paulo Afonso e Médico Sanitarista
Divulgação

 No meio destes escândalos todos que vivemos na política e na vida nacional, com todo mundo do meio politico e empresarial envolvidos, desde o episódio da compra da emenda da reeleição de Fernando Henrique Cardoso, do Proer do sistema financeiro, das privatizações escandalosas no governo tucano, principalmente da Vale do Rio Doce; além do mensalão e da lava-jato dos governos petistas de Lula e Dilma, me pergunto, se no nosso país, não existe ninguém que não esteja envolvido neste mar de lama e corrupção, que assola o nosso cotidiano. Todos os políticos de nome nacional, conhecidos, de todos os partidos, estados e ideologias estão mergulhados nesta corrupção de compra de projetos parlamentares, de caixa dois das campanhas, de propinas para defender o interesse dos empresários, enfim, uma coisa estarrecedora que nos surpreende e nos indigna. E para surpresa geral e até ridicularia pública cada um recebe um codinome, um apelido que na maioria das vezes é um sinônimo/antônimo do político; tais como Brahma, amigo, santo, italiano, lindo, todo feio, nervoso, mineirinho, numa total falta de respeito com os grandes nomes e lideranças brasileiras; também, não merecem mesmo respeito!

E ai me vem à memória o nome de Eduardo Matarazzo Suplicy, hoje vereador da cidade de São Paulo, senador por 24 anos pelo Estado de São Paulo, professor de economia, sério, decente, coerente com suas ideias e princípios, que a gente nunca ouviu falar um triz contra ele, apesar de pertencer a duas famílias ricas, defendendo sempre os interesses do povo, dos mais pobres, sem se corromper; defendo sempre o projeto de Renda- Mínima, que garantiria a todo cidadão brasileiro um salário mínimo mensal; mas ele é estigmatizado no PT, como louco, chato, numa tentativa de isolá-lo. Até hoje, tem um Karman-Ghia velho e 4 ternos, sensível, gosta de rock; mas ele não serve, não entra em esquemas, é intransigente, é abestalhado, pois não faz caixa dois, nem um, nem três...é tido como ingênuo, um trouxa, não é “esperto”!

Gostaria muito de ver uma chapa presidencial com Suplicy e Marina, para quebrar esta lógica de que para ganhar eleição tem que se corromper, entrar nos esquemas das empreiteiras, dos grandes empresários; para podermos ter um governo limpo, independente, sem subterfúgios, sem estar a serviço da elite corrupta de nosso país. Um governo que trabalhe para a maioria do povo brasileiro, que priorize os 80% mais pobres, com desenvolvimento sustentável, transparente, que profissionalize o serviço público e acabe com esta praga de mais de 20 mil cargos comissionados no governo federal, enfim, um governo que a gente possa confiar, que não minta, isto é possível? É utopia? Ainda acredito, mas depende de todos nós, cidadãos brasileiros. Temos que escolher políticos honestos, que confiemos, desde o vereador, prefeito, deputado, senador, governador, até o presidente da república. Não adianta a população querer que prenda todo mundo, todos os políticos, se no dia a dia, cometemos pequenas e grandes desonestidades, para levar vantagem em tudo, inclusive votando em candidatos sabidamente e comprovadamente corruptos. Tem políticos que fazem o discurso da honestidade e acobertam apaniguados corruptos, tornam-se donos da máquina pública, desrespeitando o principio da impessoalidade. Vocês conhecem esta realidade? Lamentável!

Sou pessimista na reflexão e otimista na ação (Gramsci), e é por isto, que não quero mais ocupar cargos eletivos e nem públicos; prefiro continuar sendo apenas médico, ajudando a população que dependem exclusivamente do SUS, pois a grande maioria dos nossos gestores se acha donos das prefeituras, são despreparados e autoritários, assim como a grande maioria dos nossos políticos que entram na vida pública para se dar bem, enriquecer e não fazer o bem público.


Busca



Enquete

Você é a favor ou contra a privatização da CHESF?



Votar Resultado
Adiquirindo resultado parcial. Por favor aguarde...


Todos os direitos reservados